Atreva-se

O que te motiva? Atreva-se é uma campanha dos Frades Capuchinhos do Brasil para que os jovens conheçam mais sobre vida franciscana e escolham seguir este caminho. Aqui, a sua motivação é essencial para transformar o mundo em um lugar melhor.

Quer saber o que motiva? Assista o vídeo abaixo!
 

Frei Laércio Duminelli da Luz

Frei Laércio Duminelli da Luz nasceu no dia 20 de fevereiro de 1983 em Nova Veneza, Santa Catarina. Ingressou na Província dos Freis Capuchinhos em 2004 e, a partir de 2007, cursou filosofia na Universidade Católica de Pelotas.

Conheceu a vida franciscana em 1991, por meio da equipe de missionários que visita diversas cidades do país pregando o evangelho de Jesus Cristo. Na época, não pensava em ser Frei, mas se encantou com a forma de vida e decidiu que queria seguir esse caminho. Em 2003, quando amadureceu seu discernimento vocacional, procurou o contato dos Freis para trabalhar como missionário.

Hoje, como Frei Capuchinho há mais de 13 anos, se dedica a ajudar adolescentes e jovens em sua província. Para Frei Laércio, ao escolher fazer parte da vida franciscana, tanto o intelecto como o afeto precisam responder satisfatoriamente a essa vontade. Para ele, escutar o chamado de Deus é escutar os próprios questionamentos que surgem no confronto com a realidade dos outros irmãos, e na vontade de ajudá-los.

CONHEÇA ESSA HISTÓRIA
Frei José Strasser Júnior

Tem coisas que a gente simplesmente sabe e sente. Eu, por exemplo, sempre soube da minha vocação. Nasci no dia 25 de setembro de 1994, em Cosmópolis, SP e lá onde eu vivia não existiam Frades Capuchinhos, por isso eu nunca tive muito contato com esse estilo de vida, mas desde muito pequeno tinha interesse em ser padre. Por isso nunca ignorei o meu chamado.

Antes de descobrir a vida franciscana, participei de alguns encontros vocacionais com os jesuítas e foi durante as orientações que eles perceberam que a minha vocação era para a vida franciscana. A partir disso, decidi buscar e entender mais sobre esse jeito de viver. Na minha cabeça, sempre imaginava os frades como pessoas simples, com cuidado e amor muito grandes pelas outras pessoas. Mas foi depois de ir aos encontros vocacionais que amadureci a minha vocação e me encantei por esse estilo de vida. Entendi que o meu caminho não era ser padre, mas viver a fraternidade e ajudar os irmãos. Hoje, sou frei há 2 anos, mas sigo a vida religiosa há mais de 5 anos. 

O que mais me encanta nesta jornada é a possibilidade de estar mais perto dos irmãos e poder ajudá-los a viver em harmonia. Sem falar no cuidado com a natureza e com toda a criação de Deus. Tenho certeza que se você está aqui é porque sente este chamado dentro de você. Às vezes ele não pode ser tão claro, mas você precisa atrever-se a ouvi-lo. Acesse este link e descubra como a vida franciscana pode ser o que você procura.

CONHEÇA ESSA HISTÓRIA
Frei Cláudio Moraes Messiais

O seu chamado é único e pode vir de qualquer lugar, a qualquer momento. Para mim, tudo começou quando participei de uma missa, onde recebi um convite para ser padre. Senti que aquele era o meu chamado! Por isso, decidi pesquisar mais sobre a vida religiosa e foi assim que me identifiquei com a vida franciscana. Sou natural de Cândido Mota, nasci em 1978, filho de Maria Holanda Ferreira e Sebastião Moraes Messias. Foi na minha cidade natal que tive meu primeiro contato com os Freis Capuchinhos.

Mesmo depois de me identificar com a vida franciscana, esse estilo de vida me surpreendeu! Afinal, acreditava que teria uma rotina muito mais fechada, dentro de um convento, com pouco contato humano e muita oração. Não foi assim. Hoje, me identifico principalmente com a possibilidade de me colocar a serviço do bem comum, por meio de projetos concretos de ajuda ao próximo, fraternidade e amor. 

O seu chamado pode ser como foi comigo, ou pode ser o simples fato de estar lendo o meu relato. Atreva-se a conhecer mais sobre a vida em irmandade, encante-se como eu e encontre-se. Acesse este link!

CONHEÇA ESSA HISTÓRIA
Frei Felipe Helder Careno

Eu sempre soube que a vida franciscana era uma forma de viver próximo do povo e com muita alegria. Por isso, tive interesse em fazer parte. O meu chamado ocorreu pela convivência pastoral e, também, pelo testemunho dos Frades. Nasci no dia 11 de agosto de 1992, em Terra Rica no Paraná, e sou filho de Gilmar Careno e Irene Coltre Careno. Foi ali, na paróquia onde cresci, que comecei os meus primeiros contatos com os Frades. Ou seja, desde a infância.

Considero que o meu chamado e o despertar da minha vocação foram todas as participações que tive em pastorais, retiros paroquiais, grupos de jovens e da própria convivência com os Frades. Talvez, por isso, sempre tive essa imagem dinâmica e cheia de vida da vida capuchinha. Sou Frei há 5 anos e, nessa trajetória, o que mais me chama a atenção é a vida fraterna e missionária.

Espero que a minha história incentive você a atrever-se a plantar essa semente dentro de você. Este aqui pode ser o chamado para despertar a sua vocação! Acesse este link e descubra.

CONHEÇA ESSA HISTÓRIA
Fraternidade
Aqui, todos são irmãos. Acreditamos no poder da coletividade como a melhor ferramenta para movimentar montanhas, transformar o ódio em amor e tornar o mundo um lugar melhor.
Alegria
É com um sorriso no rosto que se leva alegria e esperança ao próximo. E é com essa leveza de espírito que buscamos fazer o bem em cada missão que realizamos.
Simplicidade
Ser franciscano é abraçar a simplicidade e encontrar a presença de Deus nas pequenas coisas. Cremos que uma vida simples e próxima do que realmente importa é o caminho para uma vida muito mais completa.

Vida Franciscana

Atitude sustentável: 4 dicas da vida franciscana para o seu dia a dia
03/12/2018 14:30

Desde que passamos a reconhecer os nossos impactos no planeta, meio ambiente e sustentabilidade tornaram-se pauta global. Assim, a ideia de uma vida mais limpa, sustentável e de um consumo mais consciente viraram tendências mundiais. Junto a isso, percebemos que cresceu, em diversas pessoas, o amor pelas coisas vivas, seja do reino animal ou vegetal. E você sabia que tudo isso sempre fez parte da vida franciscana?

Contemplar o que é natural, orgânico e vivo, as coisas que nós chamamos de criação divina, é, naturalmente, louvar a Deus. Exatamente por isso que o contato com a natureza e a socialização com cada ser vivo são atitudes e sentimentos próprios da vida franciscana.

 

 

“Os pés no chão, em contato com a ‘mãe terra’; o sentir da brisa a afagar suavemente o rosto; o toque quente e agradável dos primeiros raios de sol a brotar por detrás da vastidão do mar; o som das gaivotas que cantam e afirmam: “bendito seja Deus”, e observar o mar, que tocando as pedras continua a esculpir a contínua obra da criação.”

Frei Elton, Bahia

Sabemos que o seu amor pela natureza te trouxe aqui. Por isso, hoje, temos alguns questionamentos para fazer:

- Quantas vezes neste ano você andou na chuva? E dessas vezes, quantas você apreciou as gotas de água caindo sobre você?

- E quantas vezes você já parou para descansar ao sol após o almoço? Durante esses momentos, você tirou os calçados para sentir a terra e a grama sob seus pés?

 

Independentemente das suas respostas, convidamos você a buscar essa conexão mais forte com o meio em que você vive. Isso porque contemplar a natureza e apreciar a obra divina não é algo exclusivo para quem é frei. Para ajudar, trouxemos 4 ideias para aplicar no seu dia a dia. São dicas de como preservar o meio ambiente, contemplar a natureza e ter uma atitude sustentável na sua rotina.

 

 

Dica 1: Assista o pôr do sol, aprecie a chuva ou contemple o mar.

Seja durante o final de semana ou no final de um longo dia de trabalho. Tire um tempo para observar o sol se pôr. Em vez de reclamar da chuva, feche os olhos e ouça ela cair, permita-se sentir as gotas caírem sobre você. E se você mora perto do mar, já pensou em observar as ondas quebrarem? Feche os olhos, ouça o som, sinta a brisa e a areia nos seus pés.

A imagem acima foi feita durante o Retiro Provincial Anual dos Capuchinhos da Bahia e Sergipe. Durante o encontro, realizado em 2014 no Centro de Treinamento de Líderes, em Itapuã-Salvador, o Frei Alan Santana aproveitou o tempo livre para fazer uma reflexão, como chamamos, deserto.

 

 

Dica 2: Cuide do meio ao seu redor.

Pequenas ações podem mudar o mundo. Por isso, adote medidas simples como não jogar o lixo no chão, separá-lo para reciclagem, optar pela caminhada ou andar de bicicleta em vez de carro ou diminuir o desperdício de água e energia elétrica. Se quiser ir além: evite o uso de embalagens de isopor, leve para o mercado sacolas retornáveis, evitando o uso das sacolas plásticas e escolha pilhas recarregáveis ao invés das comuns.

 

 

Dica 3: Cultive uma horta ou plante uma árvore.

Recentemente ensinamos à comunidade de Sapopemba, na Zona Leste de São Paulo, como manejar uma horta e, juntos, construímos uma horta comunitária. Clique aqui para conferir a notícia. Você pode seguir o nosso exemplo e mobilizar o seu bairro a fazer algo parecido, ou fazer uma pequena horta na sua casa, mesmo. Na internet você encontra várias alternativas para cultivar diferentes tipos de verduras e temperos. Quem sabe isso não inspira você a ir além e plantar uma árvore algum dia?

 

 

Dica 4: Não esqueça os animais.

Não adianta contemplar a natureza, cuidar do nosso entorno, cultivar um jardim ou horta se não respeitamos os animais. Já pensou em adotar um bichinho ou em ajudar uma ONG dedicada aos animais? E se você já tem o seu pet em casa, lembre-se de cuidá-lo como se fosse da família, afinal, ele é, não é mesmo?

E você já parou para pensar que o amor e o cuidado pelo meio ambiente podem ser frutos de algo maior? E que, se esse é o caso, existem muitas coisas que você pode

LEIA MAIS
O mito do frei enclausurado
20/11/2018 09:49

Faz parte do imaginário popular aquela imagem do frei que vive enclausurado, distante de qualquer tipo de tecnologia ou inovação. Mas você sabe que isso tudo é um mito, né?

É verdade, quem aceita e vive a vida franciscana tem seus momentos de contemplação e solitude (que são os momentos de retiro). Mas um dos nossos pilares é a vida em fraternidade. Além disso, o contato com pessoas, a comunidade e o mundo nos fortalece. Já falamos um pouco sobre isso aqui.

“Muito embora seja comum que as pessoas façam selfies e estejam sempre conectadas, para os religiosos, principalmente para aqueles que estiverem de hábito, é muito comum que as pessoas reparem, observem e até se surpreendam, pois ainda faz parte do imaginário popular que religiosos não tenham acesso a tais e importantes meios.”

Frei Elton, Bahia

“Em meu dia-a-dia a tecnologia e o mundo digital são muito presentes e importantes: por meio deles eu posso transmitir às pessoas a mensagem de Paz e de Bem que São Francisco de Assis pediu que anunciássemos. Por isso, em meu canal no YouTube e também nas redes sociais, procuro mostrar aos jovens que Deus tem um plano de amor pra cada um. E que nós, jovens, temos a tarefa de construir um mundo melhor!”

Frei Renan, Pelotas

Em 2016, o IBGE divulgou que existem 116 milhões de pessoas conectadas à internet no Brasil. Isso representa 64,7% da população com idade acima de 10 anos. Isso coloca o nosso país no quarto lugar de nações que mais tem usuários de internet. E se levarmos em conta o crescimento e popularização de smartphones e tecnologia mobile, temos certeza que o número de pessoas conectadas é ainda maior em 2018.

Seguir o estilo de vida capuchinho significa estar em eterna transformação. Por isso, assim como você, nós também precisamos nos adaptar às mudanças do mundo, incluindo a tecnologia como um meio de disseminar os ensinamentos e conhecimentos da vida capuchinha. Nas palavras do Frei Elton: “A transformação, portanto, se dá por meio de nossa inserção em todos os meios que o mundo nos oferece, pois também ali o Senhor precisa chegar.”

O que queremos dizer com tudo isso? Que seguir a vida franciscana não quer dizer que você precisará abrir mão de tudo que é tecnológico. A diferença é que a partir dos seus conhecimentos, você dará outro significado ao uso da tecnologia e aprenderá a usar esses meios para um bem maior: conectar-se com muito mais pessoas.

Quer saber um pouco mais sobre a vida franciscana? Atreva-se! Acesse este link e preencha o formulário.

LEIA MAIS
Pensando no futuro: conheça a creche Chapeuzinho Marrom
21/08/2018 09:00

Há mais de 30 anos, a instituição Chapeuzinho Marrom atende crianças de 2 a 4 anos. São filhos de mães trabalhadoras, crianças em risco social e nutricional e portadoras de deficiência. Localizada no Complexo do Turano, entre os bairros da Tijuca e Rio Comprido, a instituição é credenciada pela Secretaria Municipal de Educação e segue as orientações dos Parâmetros de Qualidade para Educação Infantil do Ministério da Educação.

Quem mantém o espaço destinado aos pequenos é o Santuário Basílica de São Sebastião, dos Frades Capuchinhos. O trabalho coordenado permite que as crianças tenham alimentação balanceada e de qualidade, contem com um ambiente limpo, acolhedor e seguro.

Você costuma pensar em crianças em situação de risco? Não sabe por onde começar para ajudá-las? Então cadastre-se neste link que nós ajudamos você com informações sobre a sua comunidade.

LEIA MAIS
VER MAIS NOTÍCIAS

Contato

Entre em contato conosco. Teremos um enorme prazer em atendê-lo.
Nome
E-mail
Telefone
Estado
Cidade
Mensagem