Vida Franciscana

Como se conectar com a sua espiritualidade
29/01/2019 00:00

O ritmo acelerado do trabalho, da família e dos estudos consome muito tempo do dia a dia das pessoas. Todas essas atividades fazem com que muitas pessoas esqueçam de fazer algo tão importante quanto se conectar com o lado espiritual.

 

Quando falamos em espiritualidade não estamos falando apenas de religião. A espiritualidade está relacionada ao seu ser e ao que existe dentro de você: o amor, o caráter, a forma como você se relaciona com as outras pessoas e a sua essência. A verdade é que a espiritualidade não possui um significado único para todos. Há diversas formas de interpretá-la, para que se possa entender o que ela representa para você e como ela pode transformar a sua vida.

 

Viver uma vida feliz depende de como está a sua vida interior. Pensamentos, emoções, crenças e desejos dizem muito sobre como você está se sentindo. Se não houver paz interior, você jamais encontrará o seu bem-estar e a sua tranquilidade. Ter espiritualidade é justamente isso: ter uma paz interior, que vai permitir que os seus valores o guiem sobre como você irá interagir com o mundo a sua volta. Acredite: a espiritualidade vai te preencher como nenhum bem material jamais fará.

 

Existem inúmeros ganhos em encontrar a espiritualidade:

 

Você terá mais harmonia nas relações interpessoais.

Quando você estiver espiritualizado, você já terá encontrado as suas verdades. Quando você olhar para o seu próprio eu, provavelmente passará a conhecer mais os seus limites, os seus valores e o que você realmente espera das outras relações. Desta forma, você poderá estabelecer o limite que as outras pessoas têm na sua vida, e assim não irá permitir que elas te afetem com mau humor, ofensas e negativismo.

 

- Você terá mais prazer em viver

Quando você está espiritualizado consegue ver o melhor em cada momento. Quem tem paz interior percebe que a felicidade não depende de grandes acontecimentos ou muito dinheiro. Assim, é possível sentir mais prazer nas pequenas coisas da vida, como passear, ler, cozinhar e ajudar as outras pessoas.

 

- Você fará tudo com mais amor

Você já deve ter ouvido falar que quando fazemos com amor tudo fica melhor! E é a mais pura verdade! Quando estamos espiritualizados, conseguimos sentir felicidade ao ter a oportunidade de fazer o nosso trabalho e viver as experiências do dia a dia. Assim, colocamos mais amor em nossas atitudes e conseguimos sentir uma felicidade inabalável!

 

São muitas vantagens, certo? Mas você deve estar se perguntando: como faço para me conectar com a minha espiritualidade? Comece eliminando todos os preconceitos da sua vida! Se você deseja iniciar esse caminho, mas não sabe por onde começar, os livros podem te dar um direcionamento e mais embasamento para seguir o seu trajeto. Além disso, a natureza também tem um papel importante nesse processo. Tente, pelo menos nas horas vagas, visitar um parque, ir para o interior ou para a praia.

 

E por último, não esqueça de se conectar com você mesmo! Para ter paz de espírito, você precisa entender o que te faz se sentir bem energizado, positivo e de bem com a vida. Por isso, procure ouvir o seu coração e entender quais são os seus interesses e quais são as suas prioridades. Atreva-se a buscar um novo sentido para a sua vida, atreva-se a escolher o caminho da vida franciscana!

 

LEIA MAIS
Motivação e transformação: a poesia do Frei Luiz Pinheiro Sampaio
25/01/2019 00:00

Viver a vida franciscana significa estar em eterna transformação: seja de si mesmo, seja do seu entorno, ou do mundo como um todo. E a motivação é o principal ingrediente para isso: é o que nos move para a mudança e transforma o mundo e as nossas vidas. Nesse sentido, podemos dizer que a transformação também nos ensina sobre transcender e seguir em frente.

 

Como fez o Frei Luiz Pinheiro Sampaio. A motivação do sacerdote foi a chave para que o seu problema de visão nunca o impedisse de escrever, mesmo que o obstáculo tenha o levado a interromper o curso de Letras, na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

 

Luiz Pinheiro Sampaio nasceu na cidade de Novo Oriente, Ceará, em 1964. Membro de uma família de raízes e valores católicos, ingressou na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (OFMCap). Em 1988, iniciou a sua formação religiosa. Começou com os estudos em Filosofia, em Goiâna (GO), e em seguida cursou Teologia, em Campo Grande (MS). Ordenado sacerdote em 2003, o Frei Luiz já trabalhou em várias localidades, como Nova Fátima (GO), Piracanjuba (GO), Caseara (TO), Campo Grande (MS), Ceilândia (DF) e, atualmente, exerce o seu ministério na capital, Goiás.

 

Autor de livros de poesias como “Poesia de Insurgências" e "Poesia de Convergências" (que já chegaram, inclusive, nas mãos do Papa Francisco), hoje vamos conferir uma obra de sua autoria: “Posso Transcender”.

 

Posso sentir pelos olhos
E ver pelos sentidos
O que está dentro e fora de mim
Aquilo que posso alcançar
E abraçar sem medo de sentir e ver.

Posso realizar buscas
Transpor as fronteiras
Ser ponte e construir pontes
Consertar e estreitar laços.

Posso perceber e sentir
No fundo do meu íntimo
A alternativa que sou
Para o desconhecido do outro
Que está e pulsa em mim.
Na realidade surpreendente
Do que procuro ser
No sentir, ver e viver.

Posso fazer experiências
Que me tornam capaz
De compreender o sentido
Do que sou para o outro
Que foi e está sendo
Espelho no meu caminho.

Ainda posso transcender
As barreiras e desafios
Em qualquer tempo e lugar
Olhar além dos limites
O que ainda posso atingir
Sem querer possuir
Aquilo que escapa
Ao meu sentir e ver.

 

A motivação do Frei Luiz transformou seus obstáculos em poesia. E você: o que te motiva? Lembre-se que a sua motivação transforma e você pode começar clicando aqui.

LEIA MAIS
Escolher a pobreza: 4 aprendizados de uma vida simples
27/12/2018 09:00

Celebrar a simplicidade. Menos é mais. Viver com o que realmente importa. Todas essas expressões e frases dizem respeito à simplicidade voluntária, pilar da Vida Franciscana. Hoje, viemos explicar para você um pouco mais sobre o nosso estilo de vida simples: por que ele é um pilar, qual a sua importância, como esse jeito de ser e viver se adapta aos dias de hoje e como ele pode nos ensinar muito sobre a vida.

 

 

- Por que é um dos pilares?

Nós, Freis Capuchinhos, acreditamos que não basta viver com os pobres para contribuir com o Projeto de Deus, mas sim, viver como pobres para promover o Reino no seguimento a Jesus Cristo, assim como fez Francisco. Por isso, somos desafiados a demonstrar à sociedade (homens e mulheres) como a pobreza voluntária nos livra da cobiça, raiz de todos os males, e da solicitude ansiosa do dia de amanhã.

 

- Mas como isso se aplica aos dias de hoje?

Sabemos que, hoje, é preciso dinheiro para comer e garantir serviços básicos como água e luz. Além disso, precisamos chegar nas pessoas, e o contato com cada um (seja real ou digital) ajuda a fortalecer o nosso propósito e as nossas missões. Também sabemos que São Francisco é radical quando diz: “que de maneira alguma se deve receber dinheiro, porque é sinal de riqueza, um perigo de avareza e um instrumento de poder e dominação do mundo.

 

 

Dessa maneira, precisamos conciliar e viver com o mínimo possível. Podemos usar dinheiro como meio comum de troca e de convivência social. Entretanto, o seu uso é permitido com a licença de superiores e com a obrigação de prestação de contas, afinal, concordamos com a importância de usar esse instrumento a serviço dos outros e não como forma de nos beneficiarmos. O nosso critério para o uso de todo os bens materiais consiste em: “Viver com o mínimo necessário e não com o máximo permitido”.

 

- E qual a importância deste pilar?

Além de nos deixar mais conectados ao Projeto de Deus, acreditamos que escolher a pobreza é um sinal de contradição a uma realidade na qual o pobre, cada vez mais pobre, é excluído das mínimas garantias de sobrevivência. Assim, também vivemos na prática a virtude da solidariedade que é construtora do Reino da Vida.

 

 

4 APRENDIZADOS DE UMA VIDA SIMPLES

LIBERDADE: Nós podemos dizer que você só descobre a verdadeira liberdade quando não se sente aprisionado a nenhum bem material. Quando você escolhe uma vida de pobreza, com o mínimo para viver, você se sente muito mais livre para fazer o bem e tomar decisões em prol do bem comum.

 

CONEXÃO: Sim, é verdade, nós estamos conectados ao mundo digital como já contamos neste post (afinal estamos aqui falando com você). Mas nós damos um novo significado para as tecnologias, usando elas para o bem comum, a serviço da sociedade e não como forma de ostentação.

Por isso, dizemos que uma vida mais desapegada dos bens materiais significa viver com menos distrações. Assim, sobra mais tempo para conectar-se a Deus, com as pessoas, com a natureza e perceber a beleza da vida. Dizemos que você começa a sentir o valor das experiências, das memórias e da importância de contemplar a vida divina.

 

SUSTENTABILIDADE: Viver apenas com o necessário, isso representa os valores capuchinhos, mas, também, os pilares de uma vida mais sustentável. Inclusive, o minimalismo como estilo de vida é uma tendência mundial que vem conquistando pessoas ao redor de todo o mundo. É um jeito de viver que consiste em reavaliar as nossas prioridades para que possamos nos desfazer de excessos que não agregam a nós e aos outros.

São premissas de um estilo de vida global, contemporâneo, mas que estão totalmente alinhadas aa nosso estilo de vida franciscano, um legado de São Francisco que vem atravessando gerações de freis ao longo dos anos.

 

ALEGRIA: A liberdade, a maior conexão e o entendimento do que realmente importa nos tornam mais felizes e, assim, somos capazes de levar a nossa alegria às pessoas.

LEIA MAIS
Atitude sustentável: 4 dicas da vida franciscana para o seu dia a dia
03/12/2018 14:30

Desde que passamos a reconhecer os nossos impactos no planeta, meio ambiente e sustentabilidade tornaram-se pauta global. Assim, a ideia de uma vida mais limpa, sustentável e de um consumo mais consciente viraram tendências mundiais. Junto a isso, percebemos que cresceu, em diversas pessoas, o amor pelas coisas vivas, seja do reino animal ou vegetal. E você sabia que tudo isso sempre fez parte da vida franciscana?

Contemplar o que é natural, orgânico e vivo, as coisas que nós chamamos de criação divina, é, naturalmente, louvar a Deus. Exatamente por isso que o contato com a natureza e a socialização com cada ser vivo são atitudes e sentimentos próprios da vida franciscana.

 

 

“Os pés no chão, em contato com a ‘mãe terra’; o sentir da brisa a afagar suavemente o rosto; o toque quente e agradável dos primeiros raios de sol a brotar por detrás da vastidão do mar; o som das gaivotas que cantam e afirmam: “bendito seja Deus”, e observar o mar, que tocando as pedras continua a esculpir a contínua obra da criação.”

Frei Elton, Bahia

Sabemos que o seu amor pela natureza te trouxe aqui. Por isso, hoje, temos alguns questionamentos para fazer:

- Quantas vezes neste ano você andou na chuva? E dessas vezes, quantas você apreciou as gotas de água caindo sobre você?

- E quantas vezes você já parou para descansar ao sol após o almoço? Durante esses momentos, você tirou os calçados para sentir a terra e a grama sob seus pés?

 

Independentemente das suas respostas, convidamos você a buscar essa conexão mais forte com o meio em que você vive. Isso porque contemplar a natureza e apreciar a obra divina não é algo exclusivo para quem é frei. Para ajudar, trouxemos 4 ideias para aplicar no seu dia a dia. São dicas de como preservar o meio ambiente, contemplar a natureza e ter uma atitude sustentável na sua rotina.

 

 

Dica 1: Assista o pôr do sol, aprecie a chuva ou contemple o mar.

Seja durante o final de semana ou no final de um longo dia de trabalho. Tire um tempo para observar o sol se pôr. Em vez de reclamar da chuva, feche os olhos e ouça ela cair, permita-se sentir as gotas caírem sobre você. E se você mora perto do mar, já pensou em observar as ondas quebrarem? Feche os olhos, ouça o som, sinta a brisa e a areia nos seus pés.

A imagem acima foi feita durante o Retiro Provincial Anual dos Capuchinhos da Bahia e Sergipe. Durante o encontro, realizado em 2014 no Centro de Treinamento de Líderes, em Itapuã-Salvador, o Frei Alan Santana aproveitou o tempo livre para fazer uma reflexão, como chamamos, deserto.

 

 

Dica 2: Cuide do meio ao seu redor.

Pequenas ações podem mudar o mundo. Por isso, adote medidas simples como não jogar o lixo no chão, separá-lo para reciclagem, optar pela caminhada ou andar de bicicleta em vez de carro ou diminuir o desperdício de água e energia elétrica. Se quiser ir além: evite o uso de embalagens de isopor, leve para o mercado sacolas retornáveis, evitando o uso das sacolas plásticas e escolha pilhas recarregáveis ao invés das comuns.

 

 

Dica 3: Cultive uma horta ou plante uma árvore.

Recentemente ensinamos à comunidade de Sapopemba, na Zona Leste de São Paulo, como manejar uma horta e, juntos, construímos uma horta comunitária. Clique aqui para conferir a notícia. Você pode seguir o nosso exemplo e mobilizar o seu bairro a fazer algo parecido, ou fazer uma pequena horta na sua casa, mesmo. Na internet você encontra várias alternativas para cultivar diferentes tipos de verduras e temperos. Quem sabe isso não inspira você a ir além e plantar uma árvore algum dia?

 

 

Dica 4: Não esqueça os animais.

Não adianta contemplar a natureza, cuidar do nosso entorno, cultivar um jardim ou horta se não respeitamos os animais. Já pensou em adotar um bichinho ou em ajudar uma ONG dedicada aos animais? E se você já tem o seu pet em casa, lembre-se de cuidá-lo como se fosse da família, afinal, ele é, não é mesmo?

E você já parou para pensar que o amor e o cuidado pelo meio ambiente podem ser frutos de algo maior? E que, se esse é o caso, existem muitas coisas que você pode

LEIA MAIS
O mito do frei enclausurado
20/11/2018 09:49

Faz parte do imaginário popular aquela imagem do frei que vive enclausurado, distante de qualquer tipo de tecnologia ou inovação. Mas você sabe que isso tudo é um mito, né?

É verdade, quem aceita e vive a vida franciscana tem seus momentos de contemplação e solitude (que são os momentos de retiro). Mas um dos nossos pilares é a vida em fraternidade. Além disso, o contato com pessoas, a comunidade e o mundo nos fortalece. Já falamos um pouco sobre isso aqui.

“Muito embora seja comum que as pessoas façam selfies e estejam sempre conectadas, para os religiosos, principalmente para aqueles que estiverem de hábito, é muito comum que as pessoas reparem, observem e até se surpreendam, pois ainda faz parte do imaginário popular que religiosos não tenham acesso a tais e importantes meios.”

Frei Elton, Bahia

“Em meu dia-a-dia a tecnologia e o mundo digital são muito presentes e importantes: por meio deles eu posso transmitir às pessoas a mensagem de Paz e de Bem que São Francisco de Assis pediu que anunciássemos. Por isso, em meu canal no YouTube e também nas redes sociais, procuro mostrar aos jovens que Deus tem um plano de amor pra cada um. E que nós, jovens, temos a tarefa de construir um mundo melhor!”

Frei Renan, Pelotas

Em 2016, o IBGE divulgou que existem 116 milhões de pessoas conectadas à internet no Brasil. Isso representa 64,7% da população com idade acima de 10 anos. Isso coloca o nosso país no quarto lugar de nações que mais tem usuários de internet. E se levarmos em conta o crescimento e popularização de smartphones e tecnologia mobile, temos certeza que o número de pessoas conectadas é ainda maior em 2018.

Seguir o estilo de vida capuchinho significa estar em eterna transformação. Por isso, assim como você, nós também precisamos nos adaptar às mudanças do mundo, incluindo a tecnologia como um meio de disseminar os ensinamentos e conhecimentos da vida capuchinha. Nas palavras do Frei Elton: “A transformação, portanto, se dá por meio de nossa inserção em todos os meios que o mundo nos oferece, pois também ali o Senhor precisa chegar.”

O que queremos dizer com tudo isso? Que seguir a vida franciscana não quer dizer que você precisará abrir mão de tudo que é tecnológico. A diferença é que a partir dos seus conhecimentos, você dará outro significado ao uso da tecnologia e aprenderá a usar esses meios para um bem maior: conectar-se com muito mais pessoas.

Quer saber um pouco mais sobre a vida franciscana? Atreva-se! Acesse este link e preencha o formulário.

LEIA MAIS
Pensando no futuro: conheça a creche Chapeuzinho Marrom
21/08/2018 09:00

Há mais de 30 anos, a instituição Chapeuzinho Marrom atende crianças de 2 a 4 anos. São filhos de mães trabalhadoras, crianças em risco social e nutricional e portadoras de deficiência. Localizada no Complexo do Turano, entre os bairros da Tijuca e Rio Comprido, a instituição é credenciada pela Secretaria Municipal de Educação e segue as orientações dos Parâmetros de Qualidade para Educação Infantil do Ministério da Educação.

Quem mantém o espaço destinado aos pequenos é o Santuário Basílica de São Sebastião, dos Frades Capuchinhos. O trabalho coordenado permite que as crianças tenham alimentação balanceada e de qualidade, contem com um ambiente limpo, acolhedor e seguro.

Você costuma pensar em crianças em situação de risco? Não sabe por onde começar para ajudá-las? Então cadastre-se neste link que nós ajudamos você com informações sobre a sua comunidade.

LEIA MAIS
5 fatos sobre a vida franciscana que você nunca imaginou!
21/08/2018 06:00

Antes de começar, precisamos explicar para você que um dos principais pilares que sustentam a vocação franciscana é a fraternidade. Em outras palavras: um título que nos transforma em irmãos de tudo e todos. É por isso que dizemos que nenhum frade vive sozinho ou em solidão. 

Além disso, na nossa fraternidade não existem chefes, senhores, abades ou priores, porque todos têm o mesmo caráter: o de serem simplesmente irmãos menores em missão. Assim, podemos dizer que o nosso estilo de vida não é formado por uma organização “vertical”, mas, sim, muito mais “horizontal” e coletiva. Certo?
Então, agora, vamos conhecer um pouco mais sobre a vida franciscana?


1-    Liberdade também é um pilar.
Existe um longo percurso de estudos e dedicação para quem deseja seguir a vida franciscana. Além disso, aqui, aprendemos a viver com simplicidade e perto da natureza. Mas isso não significa ter uma vida de enclausuramento, longe de tudo e todos. Nossa vida continua sendo a mesma: nos divertimos, temos hobbys, praticamos esportes (de futebol a escalada), trabalhamos (como engenheiros, advogados, filósofos, professores, jornalistas), rimos, ouvimos músicas, dirigimos e andamos tranquilamente pelas ruas quando queremos.


2-    A diversidade faz parte e nos fortalece.
Acreditamos que as nossas diferenças são capazes de tornar a vida em fraternidade mais forte e completa. Enquanto alguns freis estudam engenharia, outros preferem filosofia. Tem aqueles que escolhem biologia e os que preferem manter-se na teologia. Aqui, você é livre para ser você, ter os seus hobbys e o seu ritmo. O que importa é a vida em fraternidade, sem posses e com o coração desprendido, onde juntos somos um. 


3-    Defendemos causas da sociedade
Seja em defesa da natureza, de uma comunidade carente que foi esquecida pelo estado, que sofreu com um desastre natural (como o terremoto do Haiti) ou até uma ação mais simples em prol dos animais. É essa crença que torna a missionalidade um pilar tão importante da vida franciscana. Com pequenas ações, paciência e muita insistência, o nosso trabalho muda o entorno, tornando a vida mais digna, proveitosa e alegre.


4-    Somos simples (e muito felizes)
Simplicidade não é ser miserável. Na verdade, quando falamos sobre simplicidade, falamos sobre viver com o que precisamos (e só). Sem luxos e sem excessos. Ao longo dos anos, aprendemos como o contato com o meio ambiente é importante e faz bem, como ler um bom livro pode confortar a alma e como uma conversa sincera com nós mesmos (ou com o próximo) enriquece o espírito. Além de uma vida mais leve, essas crenças contribuem para um mundo mais sustentável e consciente.


5-    Não estamos off!
Pelo contrário, estamos muito conectados. Com o mundo, com as pessoas e com a comunidade. A diferença é que, uma vez que aprendemos a valorizar uma vida mais simples, descobrimos como o “mundo off” pode ser muito mais colorido, tranquilo e estimulante. Ao mesmo tempo em que viajamos pelo mundo inteiro, fazendo o bem e transformando o mundo sem pensar em fronteiras, também navegamos pela internet para nos mantermos atualizados sobre tudo o que está acontecendo aqui e agora, em todo o lugar.


A vida franciscana é para todos os homens que tem Deus no coração e tem motivação para transformar o mundo. Se você chegou até aqui, é porque você tem tudo isso. Que tal começar aos poucos? Atreva-se a cadastrar-se e ficar por dentro das nossas ações dentro da sua comunidade, para isso, é só clicar aqui.
 

LEIA MAIS
Caminhada ecológica envolve a comunidade de Sapopemba, SP
21/08/2018 06:00

Recentemente, foi realizada na cidade de Sapopemba, Zona Leste de São Paulo, uma caminhada ecológica em defesa da paz e do meio ambiente. Na ocasião, foram convidadas as crianças e adolescentes do CECAPAS (Centro Capuchinho de Ação Socioeducativa), que junto de seus responsáveis, foram guiados pelo Frei José Longarez até o Viveiro Parque Linear de Integração Zilda Arns.

O principal objetivo do percurso era chamar a atenção do poder público para a sujeira e falta de saneamento da região. Além disso, os participantes aproveitaram para pedir pela conscientização dos moradores da proximidade, uma vez que é dever de todos zelar pelo lugar onde vivemos. 

E não foi só isso. No fim, todos puderam participar de uma oficina sobre manejo de horta no Parque Linear e assim, juntos, construir uma horta comunitária. Além do contato com a terra, a mobilização proporcionou um momento coletivo onde todos puderam mudar um pouco mais do meio em que vivem.

E qual é a sua causa? Mudar o seu bairro, estado ou país? Prefere cuidar da natureza ou dos animais? Então lembre-se que aqui você terá espaço para isso. A sua causa é a sua motivação, e a sua motivação transforma. Clique aqui e cadastre-se.

LEIA MAIS